Projeto Album Chorographico Municipal do Estado de Minas Gerais Projeto Album Chorographico Municipal do Estado de Minas Gerais

Projeto Album Chorographico Municipal do Estado de Minas Gerais – 1927: Estudos Críticos

6 minutos para ler

Quer conhecer os belos mapas antigos dos 178 municípios de Minas Gerais?

Eles estão disponíveis há sete anos no site, de acesso irrestrito em: Album Chorographico

Corografia, ou chorographia no português daquela época, é o nome dado ao estudo dos territórios. 

O Album Chorographico Municipal do Estado de Minas Gerais é uma obra rara da cartografia histórica. Sobre este Album, se fez um site composto pelos 178 mapas e enriquecido com estudos críticos.

Apoiado pela Bios Consultoria; pelo Centro de Referência de Cartografia Histórica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pelo Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHCMG), pelo Instituto Cultural Amilcar Martins (ICAM), e também pelo Arquivo Público Mineiro (APM), o site é  um projeto da Fundação 18 de Março (Fundamar). 

O flyer abaixo destaca os especialistas que assinaram os estudos críticos sobre o Album Chorographico. São historiadores, geógrafos, urbanistas, especialista em toponímia e web designer .

Flyer de Divulgação do site do Album Chorographico Municipal do Estado de Minas Gerais. 1927

A cartografia em comemoração ao centenário da Independência

O Album Chorographico Municipal do Estado de Minas Geraes foi publicado em 1927, pelo governo do estado, dentro das comemorações do centenário da Independência do Brasil (1822 – 1922). Era preciso comemorar a data e demonstrar que Minas Gerais era um estado coeso e progressista. O momento era oportuno para valorizar as edificações, as estradas de ferro – mesmo que apenas projetadas ! – e os bens naturais do estado.

Trata-se da primeira representação geográfica, no período republicano, dos 178 municípios que compunham Minas Gerais. As pranchas do Album trazem o mapa colorido, dados da população absoluta (censo de 1920), densidade demográfica, área, distritos componentes. Emoldurando a maioria dos mapas, há os desenhos a bico de pena dos bens ambientais e culturais da maioria dos 178 municípios representados.

O mapa do município de Aymorés, por exemplo, disponível no site, mostra trecho do curso do rio Doce e seus portos. No então distrito de Resplendor – hoje município – destaca, como povoados, a Aldeia dos Indios Krenacs e a Colônia Julio Bueno. Mas esta colônia agrícola só seria criada em 1921. Alguns identificam, nessa sobreposição de elementos de épocas distintas, o caráter laudatório que a Comissão Mineira do Centenário queria imprimir ao Album. Observe no mapa abaixo e disponível no link

Mapa do Município de Aymores do Album Chorographico Municipal de Minas Gerais. 1927.Comissão Mineira do Centenário. 1923. Litographia Hartmnn. Juiz de Fora.

Album nasceu defasado

Apesar de publicado em 1927, o Album traz os municípios conforme a divisão político-administrativa adotada pelo Estado em 1911, com apenas algumas poucas alterações pontuais. Durante sua produção, houve, entretanto, nova lei estadual, que alterou o recorte do território definido em 1911. Por isso, o Album já nasceu defasado. Teixeira de Freitas, que assina o prefácio da obra, pede desculpas pela publicação tardia mas entende que o Album seria “útil, ao ensino, à administração e à geografia brasileira”. Ele estava certo! Como se sabe, em 1937, Teixeira de Freitas viria a ser o organizador do atual Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Quer saber o que eram os atuais 853 municípios de Minas Gerais em 1911?

Além do índice dos mapas do Album Chorographico propriamente dito, outro índice do site ajudará vc. a localizar todos os atuais 853 municípios mineiros. Muitos ainda eram povoado ou distrito ou sequer figuram nos mapas. Se vc. pesquisar, por exemplo, pelo município de Resplendor no índice de 2012 (data do site), o encontrará como distrito do município de Aymores, no mapa do Album.

Quer conhecer todos os povoados de Minas Gerais em 1911?

É possível ainda identificar no site os 2.241 povoados de Minas Gerais em 1911. E, ainda sua atualização toponímica e administrativa. É só acessar o índice dos povoados, do site. A maioria dos povoados, entretanto, não pôde ser atualizada. Foi o que aconteceu com os povoados de Aymores., sobre os quais não se tem noticia. Veja no link

Quer saber os nome antigos dos municípios mineiros?

Se clicar sobre o nome de qualquer um dos 178 municípios no site, vc. saberá um pouco mais sobre a origem da toponímia adotada. O estudo dos nomes é interessante, pois na nova república a moda era adotar nomes relativos à natureza, à língua tupi e descartar os nomes de santos e outras referências católicas. A República era laica.

Produtos derivados do site

O site está online já há sete anos, mas ainda promete! Durante este período do projeto do Album, foi possível desenvolver estudos interessantes. Um deles foi a recuperação da bacia do rio Sapucaí, antes do seu represamento pela Usina Hidrelétrica de Furnas, nos anos 50. Este mapa está no link aqui indicado. Outro estudo foi a recuperação do traçado da Estrada de Ferro Muzambinho. Alguns de seus trechos e estações também submergiram para instalação de Furnas. Este mapa está no link aqui informado.

A reconstituição cartográfica desses territórios foi feita por técnicos da Bios Consultoria. Pode-se afirmar, portanto, que os mapas do Album possuem qualidade técnica que permita tais exercícios de reconstituição da cartografia de Minas Gerais.

Novos projetos

Prevê-se ainda novos projetos para o Album. Um deles é o estudo das divisas de Minas. Nos primeiros anos da República, Minas debatia seus limites com os estados vizinhos. Muitos mapas dos municípios de fronteira, no Album, trazem mais de uma linha divisória, cada uma referente a um proposta em litígio. O site mostra ainda uma Carta de Minas de 1922, que não é exatamente à do Centenário, mas da mesma época. Por ela, se vê que o traçado do estado não era exatamente o de hoje em dia.

Posts relacionados

Deixe um comentário